Pés a Caminho – Intrarail no Douro

No outro dia, eu e os meus meninos recordávamos a nossa experiência numa espécie de “Intrarail” que fizemos até ao Douro em Julho de 2019. Foi uma viagem engraçada para eles, e eu pessoalmente adorei o tempo que lhes dediquei sem interrupções.

O Intrarail, tal como o nome sugere, é uma viagem de comboio por diferentes zonas de Portugal. Costuma ser bastante económico para os jovens que se aventuram, pernoitando em Pousadas da Juventude. No nosso caso adaptamos o conceito e viajamos à descoberta do nosso maravilhoso e magnifico Douro. Na minha opinião não há outro meio de transporte que nos permita vislumbrar a beleza das margens do Rio Douro entre Pinhão e Ferradosa.

A ideia de fazermos a viagem foi programada quase de uma semana para a outra o que acabou por ser um pouco dispendiosa. Na próxima viagem que faremos terei o cuidado de planear tudo com antecedência.

Partilho convosco a nossa viagem “Intrarail”, poderá ser uma ideia a ter em conta depois de tanto confinamento.

Inicio de uma Aventura – Intrarail Douro

Seguimos viagem de metro até à Trindade, no Porto. Poderíamos ter ido diretamente para a Estação de Campanhã mas não seria a mesma coisa. Descemos os Aliados onde os miúdos visitaram a Câmara Municipal do Porto e se recusaram a tirar uma foto com o Rui Moreira (que vergonha). Antes de seguirmos para a Estação de São Bento ainda avistámos a Torre dos Clérigos que decidimos deixar para visitar noutra altura.

Ao entrar na Estação de São Bento os miúdos ficaram encantados com a quantidade de azulejos nas paredes. Claro que as fotos foram inevitáveis. Depois de comprarmos os bilhetes ainda tinhamos algum tempo até seguir para a Régua, por isso fomos visitar a Igreja dos Congregados e a fantástica Catedral , tudo muito perto da estação. Tanto a Igreja como a Catedral estão em perfeitas condições de preservação e mais uma vez vimos verdadeiros murais de azulejos com representações fabulosas.

O nosso comboio com o número 869 já nos esperava. A viagem foi bastante tranquila. O comboio vai mesmo colado ao rio, desde a estação de Mosteiró. Chegados à Régua, fomos fazer o check-in no Hotel Império que fica mesmo ao lado da estação. Qualidade/Preço nada apontar…sugeria era uma piscina no terraço que têm junto da sala dos pequenos-almoços, isso seria a cereja sobre o bolo ;). Infelizmente não conseguimos visitar o Museu do Douro, pois já se encontrava fechado. Fomos então dar um passeio pela cidade da Régua e jantamos no Restaurante Torrão que tinha uma vista magnifica para o Rio Douro.

No dia seguinte preparamos as mochilas e seguimos viagem até ao Pinhão. O calor já se fazia sentir com bastante intensidade e até o comboio tinha dificuldade em avançar, a vantagem é que podíamos apreciar as paisagens mais calmamente. As vinhas plantadas iam até aos cumes das montanhas. Impressionante aquilo que o Homem é capaz de criar. Chegados ao Pinhão fomos almoçar no famoso restaurante Ponto Grande. As especialidades eram Alheira Assada, Costelinha em Vinha d’alho e Caldeirada de Cabrito (tudo comidas leves :)) A verdade é que vem isto tudo para a mesa. Saímos a rebolar. Infelizmente estava um calor muito intenso, o que não permitia visitar. Preferimos aguardar o próximo comboio na estação, bem na fresca.

Quando ouvimos o som do comboio viemos cá para fora e qual não foi a nossa surpresa quando vimos chegar o Comboio Turístico onde podíamos abrir as janelas e colocar a cabeça de fora.

Foi das viagens mais bonitas que fiz. Como é belo o nosso Douro. Os miúdos estavam a ficar muito cansados por causa do calor então optamos não continuar a viagem e sair na nossa estação, Ferradosa.

Qual estação qual quê….era o verdadeiro apiadeiro e mais de 30º. O Douro Yachts e Bungalows ficava a 1400 metros do apiadeiro, então lá seguimos o nosso caminho. Os meninos foram muito corajosos e resistentes (se avisarem com antecedência, os proprietários vêm buscar os hospedes ao apiadeiro).

Chegados ao nosso recanto sentimos de imediato a paz, o silêncio e a beleza desta natureza. Somos capazes de ficar a contemplar a vista horas a fio. Os miúdos foram logo dar um mergulho à piscina e quando a fome apertou jantamos no restaurante Cais da Ferradosa onde comemos uns grelhados fantásticos e bebi uma merecedora sangria de Rosé. Ás 22h30 da noite surgiam as primeiras estrelas no céu. Não há nenhuma foto que possa fazer jus ao que os olhos são capazes de ver aqui.

Dia seguinte fomos passear de barco e dar uns mergulhos no rio. O Didi como sempre não teve medo nenhum mas o Kiko estava mais apreensivo e não queria ir mas aproveitei um momento em que ele me deu a mão e saltamos os dois.

Passamos pela zona do Cachão. O Cachão é o local da grande mudança no que diz respeito ao carregamento do vinho do Porto em barcos rabelos mas merece um post só para esta história.

Os restantes dias foram aproveitados para banhos, leituras e muito relaxe. O Douro Yachts e Bungalows é do melhor, voltaremos sempre que podermos, nem que seja para beber o Vinho do Porto.

Nota importante: não se esqueçam do spray anti mosquitos, os miúdos não foram picados uma única vez, já eu…

Com esta conversa toda com os miúdos, acabei por prometer que no fim desta quarentena em que estamos confinados já lá vão 36 dias, iríamos fazer um novo intrarail que inclui-se aulas de surf (eles sonham com aulas de surf).